PUBLICIDADE

sexta-feira, 20 de abril de 2012

Teste: Fiat Palio Sporting 1.6 16V 2013

20/04/2012 Carros do Álvaro — Palio Sporting une visual agressivo a bom conjunto mecânico .Junto com a nova geração do Palio, a Fiat mostrou a versão Sporting – nome usado pela primeira vez no modelo –, que pretende dar um ar mais esportivo ao renovado hatch. O carro ganhou visual repaginado, itens exclusivos e até algumas alterações mecânicas para se destacar do restante da linha, da qual ocupa o topo. Além disso, amplia os espaços da Fiat no seleto nicho dos "pseudo-esportivos" compactos, composto atualmente apenas por Nissan March SR, Ford Ka Sport e Uno Sporting, também da marca italiana.

O hatch é equipado com o mesmo 1.6 16V e.Torq da versão Essence. São 117 cv e 16,8 kgfm de torque quando abastecido com etanol que, segundo a Fiat, são capazes de levar o hatch do zero aos 100 km/h em 9,9 segundos e à máxima de 191 km/h. O desempenho é praticamente igual, apesar do diferencial encurtado, que permitiria respostas mais imediatas ao acelerador.

Além do câmbio mais curto, a direção ficou mais direta e a suspensão foi rebaixada em 5 milímetros e até as bitolas foram alargadas – 6 mm na frente e 10 mm atrás. Tudo para dar ao Sporting um comportamento condizente ao nome. A suspensão também ganhou molas e amortecedores mais firmes e os freios foram redimensionados.
Por fora, as linhas simpáticas do novo Palio ganharam toques mais agressivos, com a adição de saias laterais e spoilers dianteiro e traseiro. Além disso, o modelo ganhou belas rodas de 16 polegadas exclusivas da versão, com pneus de perfil mais baixo. Os faróis têm máscaras escuras e há apliques plásticos nos arcos das rodas – numa clara referência ao Punto T-Jet. Mesmo chamativo, o conjunto não perdeu a harmonia e deu ao modelo a dose extra de esportividade e exclusividade inerentes à uma versão desse tipo. As mudanças deixaram o Palio com um ar mais assentado e muito interessante.

O interior mantém as linhas comuns a todas as versões do hatch. Mas há também detalhes que não deixam os ocupantes esquecerem que estão a bordo de um Sporting. Os cintos são vermelhos, de gosto bastante discutível, mas remetem aos primeiros Uno 1.5R esportivos do fim da década de 80, assim como as maçanetas vermelhas e pedais esportivos. Os bancos também têm revestimento preto exclusivo, com inscrições alusivas à versão bordadas nos encostos. Os mostradores ganharam também a inscrição Sporting entre os ponteiros vermelhos.

A Fiat conseguiu um ótimo conjunto com o Palio Sporting. O modelo, que já era substancialmente melhor que a primeira geração, ganhou mudanças para entregar mais diversão ao volante do que o restante da gama, além do visual instigante. Até o preço, de R$ 41.310 – que já inclui equipamentos como ar-condicionado, direção hidráulica, airbags frontais e freios ABS – ainda o deixa em pé de igualdade com a concorrência "não-esportiva". É certo que são quase R$ 2 mil a mais em relação ao Palio Essence, com o mesmo conjunto mecânico e dotação de equipamentos, mas que se justificam em ajuste esportivo, visual diferenciado e alguma exclusividade.
Ponto a ponto

Desempenho – O 1.6 16V é o maior responsável pela vitalidade do Palio Sporting. Os 117 cv empurram o hatch sem dificuldades e o torque de 16,8 kgfm ajuda na hora de acelerar forte. No entanto, há pouca força abaixo dos 2 mil giros, o que compromete retomadas e o uso despretensioso do modelo. Manter as rotações acima de 3.500 faz o modelo entregar ótimas prestações, mas cobra sua conta no consumo elevado. Ao menos, não há sinais de sofrimento mesmo próximo do limite, o que incita o motorista a explorar bem o motor. Nota 8.
Estabilidade – A suspensão rebaixada e com molas mais firmes deixam o modelo bem na mão do motorista. Os pneus 195/55 montados em rodas de 16 polegadas – conjunto exclusivo da versão – ajudam bastante na hora de contornar estradas sinuosas. O Palio balança pouco e apenas em curvas de alta, passando bastante segurança. O comportamento é muito neutro e previsível, com tendência de sair de frente apenas quando muito provocado. Nota 8.
Interatividade – O interior é bem pensado, com comandos fáceis e intuitivos. O sistema de som requer alguma atenção nos primeiros momentos de uso e a entrada USB merecia um lugar mais visível, em vez de ser dentro do pequeno porta-luvas. Ao menos, alavancas e botões têm uso descomplicado. O painel tem ótima visibilidade, o que não se repete em relação à traseira, onde a coluna larga fica no meio do caminho em várias situações. Para a frente e para os lados, nenhum problema. Nota 7.
Consumo – O Fiat Palio Sporting registrou médias de 7,2 km/l com etanol em ciclo misto. A Fiat não tem números oficiais e o InMetro não fez medições para o modelo. Nota 5.
Tecnologia – A plataforma é moderna – estreou em 2010 no Uno – e há boa oferta de equipamentos para o modelo. Os airbags frontais são de série e ainda há bolsas laterais como opcional. O sistema de som aceita CD, MP3, iPod e tem uma entrada USB. Nota 7.
Conforto – O ganho no espaço interno melhorou muito a vida a bordo do Palio. Há mais espaço para a cabeça dos ocupantes e para as pernas de quem viaja no banco traseiro. Os bancos são revestidos em tecido agradável ao toque e os níveis de ruído são aceitáveis. Mesmo com a proposta mais esportiva, o modelo mantém o jeitão "macio" habitual da linha mineira. O nível de ruído é aceitável em velocidade de cruzeiro e o motor só se faz presente em rotações mais altas. Nota 8.
Habitabilidade – O modelo traz poucos porta-objetos, apenas dois porta-copos à frente da manopla do câmbio, estreitos nichos nas portas e outro no alto do painel. No entanto, o interior do Palio é um ambiente agradável e o entra-e-sai é facilitado pelo bom ângulo de abertura das portas. Na mudança de geração, o hatch perdeu 10 litros no porta-malas e agora só consegue acomodar 280 litros. Nota 6.
Acabamento – A Fiat definitivamente poderia ter investido num acabamento melhor para o Palio. Os plásticos são de aparência muito simples e há até rebarbas aparentes. Alguns encaixes também deixam a desejar, como o da tampa do porta-luvas e do pequeno porta-objetos no alto do painel. De resto, a sensação ainda é melhor que no modelo antigo. Nota 6.
Design – Para a versão Sporting, a Fiat caprichou – e talvez até exagerou – em anexos aerodinâmicos e arremates para dar uma cara mais esportiva ao modelo. Saias laterais, spoilers e rodas maiores conseguiram fazer o modelo se destacar em relação aos demais. Os faróis ganharam máscaras escuras e há faixas decorativas na lataria e até ponteira cromada no escapamento. Estão lá o "bigodinho" cromado do Fiat 500 e muitas referências ao Punto. Na traseira, as lanternas na coluna são datadas mas deram ao Palio um ar mais esbelto. Já a decoração interna exagera demais e chega a ser espalhafatosa. Nota 8.
Custo/benefício – O Palio Sporting figura num segmento pouco povoado no Brasil. Além dele, apenas March SR 1.6 e o menor Ford Ka Sport trazem um conceito mais esportivo entre os hatches pequenos. O modelo vem bem equipado, com airbags frontais, freios ABS, além de ar-condicionado, direção hidráulica e vidros elétricos de série por R$ 41.310. Não é barato, mas está na média do segmento. O Nissan March custa R$ 39.490, mas não tem qualquer alteração mecânica em relação às versões "tímidas". O Palio é mais espaçoso e ganhou suspensão exclusiva e câmbio mais curto, além de apresentar um conjunto mais maduro que o March. O Ka – vendido por R$ 36 mil quando equipado com airbags frontais – joga numa seção mais baixa, com apenas duas portas e menos compromisso com conforto e, por isso, acaba sendo mais barato. Nota 7.
Total – O Fiat Palio Sporting 1.6 somou 70 pontos em 100 possíveis.
Impressões ao dirigir

Cara de mau

Antes mesmo de assumir o volante, a decoração externa chamativa, mas condizente com a proposta do carro, deixa mesmo o modelo com um ar mais esportivo que o restante da linha. As rodas de 16 polegadas exclusivas da versão e a suspensão ligeiramente rebaixada dão ao Palio um jeitão mais encorpado e soturno, ainda mais na cor preta, que cai muito bem ao Sporting. Por dentro, as diferenças continuam com os cintos de segurança vermelhos – herança do primeiro Fiat Uno 1.6R –, maçanetas internas e outros detalhes também em vermelho.

O interior acolhe bem os passageiros, ainda que os bancos dianteiros pudessem ter melhor apoio às coxas. A espuma tem densidade correta e não cansa mesmo após algumas horas ao volante. Todos os comandos estão bem localizados e há bom espaço interno, numa notável evolução sobre o modelo anterior. No entanto, os plásticos utilizados em diversas partes do painel e portas têm aparência pobre e riscam com facilidade. Além disso, a durabilidade de alguns componentes precisa ser revista. Na unidade avaliada – que marcava poucos milhares de quilômetros rodados – a regulagem de inclinação do encosto do banco do motorista já girava em falso, graças ao peso do encosto equipado com airbag lateral.

O motor e.Torq 1.6 16V de 117 cv com etanol certamente é a estrela da versão – ainda que seja o mesmo do Palio Essence. Entretanto, o câmbio mais curto do Sporting deixa o modelo mais arisco e bastante esperto. Os 16,8 kgfm chegam somente nas 4.500 rpm, mas já há força ao redor dos 2.500 giros – abaixo disso, o 1.6 é bem fraco, mas ao menos as marchas mais curtas ajudam na subida das rotações. A suspensão mais firme torna o Palio divertido e muito mais seguro até mesmo que o antigo 1.8R. Não chega a ser um kart, mas já consegue animar os motoristas mais entusiasmados.

A contrapartida ao bom desempenho vem na hora de abastecer. Com etanol no tanque, o Palio Sporting mal passa dos 6 km/l, muito pouco para um motor 1.6 de concepção moderna. O consumo alto ainda justifica que a versão esportiva poderia vir com o 1.8 16V do Punto, com saudáveis 132 cv, que certamente elevaria o desempenho a níveis realmente esportivos, sem gastar muito mais na bomba de combustível.
Ficha técnica

Fiat Palio Sporting 1.6 16V

Motor: A gasolina e etanol, dianteiro, transversal, 1.598 cm³, com quatro cilindros em linha, quatro válvulas por cilindro. Acelerador eletrônico e injeção eletrônica multiponto sequencial.
Transmissão: Câmbio manual de cinco marchas à frente e uma a ré. Tração dianteira.
Potência máxima: 115 cv com gasolina e 117 cv com etanol a 5.500 mil rpm.
Aceleração 0-100 km/h: 9,9 segundos.
Velocidade máxima: 191 km/h
Torque máximo: 16,2 kgfm com gasolina e 16,8 kgfm com etanol a 4.500 rpm.
Diâmetro e curso: 77 mm X 85,8 mm. Taxa de compressão: 10,5:1.
Suspensão: Dianteira do tipo McPherson, com rodas independentes, braços oscilantes inferiores transversais e barra estabilizadora. Traseira semi-independente, com eixo de torção com rodas semi-independentes. Dianteira do tipo McPherson, com rodas independentes, braços oscilantes inferiores transversais e barra estabilizadora. Traseira semi-independente, com eixo de torção com rodas semi-independentes. Não oferece controle eletrônico de estabilidade.
Pneus: 195/55 R16.
Freios: Discos ventilados na frente e tambores atrás. Oferece ABS como opcional.
Carroceria: Hatchback em monobloco com quatro portas e cinco lugares. Com 3,87 m de comprimento, 1,67 m de largura, 1,51 m de altura e 2,42 m de entre-eixos. Airbags frontais e laterais como opcional.
Peso: 1.090 kg.
Capacidade do porta-malas: 280 litros.
Tanque de combustível: 48 litros.
Produção: Betim, Brasil.
Lançamento no Brasil: 2011.
Itens de série: Ar-condicionado, direção hidráulica, vidros dianteiros e travas elétricas, airbags frontais, freios ABS, apoios de cabeça traseiros. Opcionais: Airbags laterais, pintura metálica, sensores crepuscular e de chuva, retrovisor interno eletrocrômico, retrovisores elétricos, controlador de velocidade de cruzeiro.
Preço básico: R$ 41.310.
Preço da unidade testada: R$ 46.597.
por Igor Macário - Auto Press 
Fonte disponível no(a): MotorDream.uol.com.br

PUBLICIDADE

POSTS RECENTES

PUBLICIDADE

10 POSTS MAIS LIDOS

VEÍCULOS MAIS VENDIDOS - OUTUBRO DE 2014

FIAT PALIO 16.622
CHEVROLET ONIX 13.589
FIAT STRADA 13.381
VOLKSWAGEN GOL 12.455
FIAT UNO 11.192
HYUNDAI HB20 10.603
FORD KA 9.603
VOLKSWAGEN FOX 9.218
VOLKSWAGEN SAVEIRO 8.439
10º CHEVROLET PRISMA 8.342